Home Artigos Vida Descobrir o quão longe se pode ir

Descobrir o quão longe se pode ir

acessibilidades

Viagens

A minha paixão por viajar deverá ter começado em 1977, quando, ainda dentro do ventre da minha mãe, fui até ao sul de Espanha e Marrocos.

Com cinco anos de idade, e em busca de um diagnóstico para a minha deficiência, fui com o meu
pai até à Alemanha. Três dias de autocarro! Que aventura! As memórias dessa viagem são já vagas.

Recordo-me de ser acordada pelo meu pai a meio de um sono desconfortável para ver a Torre Eiffel e da sensação de chegar a um outro planeta. As ruas estavam imaculadamente limpas, nos
parapeitos das janelas de todas as casas poisavam vasos com flores de várias cores, as estradas eram largas e sem buracos, as aldeias tinham hotéis, cinemas, piscinas… Algo que na altura não se via em Portugal!

E as crianças abundavam! Sem brincadeira eu não ia ficar! No entanto, julgo que o mais
surpreendente foi perceber que apesar de não falarmos a mesma língua ainda assim conseguíamos comunicar.

Naqueles dias, mal sabia eu que a minha deficiência me iria levar a tantos lugares bonitos!

Memórias e aventuras

Procurando um acompanhamento médico mais inovador, na segunda metade da década de 80,viajei até Poitiers, uma cidade localizada no centro-oeste da França, na companhia do meu pai e de uma das minhas tias.

Dois dias de automóvel! Nova aventura! Ficámos alojados com uma família francesa, o que tornou a experiência ainda mais enriquecedora. Uma vez mais, eu não falava com eles, mas conseguíamos comunicar. Aprendi aí que a língua da fraternidade, do amor, da tolerância e da aceitação é uma só.

Memória? A vitrine de bonecas provenientes de vários países que se encontrava na sala de estar da família, onde encontrei uma pequena Varina das Sete Saias! E espantem-se! A horta da família situava-se na frente da casa, enquanto o jardim ficava nas traseiras!

Acessibilidades (ou a sua ausência)

Nos finais do milénio, já adulta e cansada da ausência de acessibilidades da FLUC e da pouquíssima (para não dizer nenhuma) vontade institucional para as criar, rumei até ao Reino Unido com o objectivo de tirar a minha licenciatura. Este foi um tempo de grandes descobertas e crescimento pessoal! Sem o suporte familiar, aprendi a não ter medo de me fazer à estrada! E mais uma vez, conheci pessoas fantásticas provenientes dos quatro cantinhos do nosso planeta azul!

Depois veio o trabalho e com ele menos tempo para viajar! Decidi na altura que pelo menos uma vez por ano faria uma viagem para um destino que chamasse por mim. No entanto, ao fim de algum tempo a minha mente e o meu coração pediam mais! Até que a ideia surgiu! Quero fazer uma viagem de longa duração! Quero conhecer novos lugares, novas pessoas! Quero viver novas experiências! Quero desafiar os meus medos! Quero testar os meus limites! Quero ser eu e não a minha deficiência!

40×2 Wheels in Europe

Como bruma matinal, a ideia pairou na minha mente durante um ano e todas as questões foram passando para o papel! Até que em Setembro de 2016 o projecto ganhou forma. Entre Junho e Dezembro de 2018, percorrer a Europa de cima a baixo! Visitar quarenta cidades para festejar o meu quadragésimo aniversário!

Eu, a minha cadeira de rodas e duas assistentes pessoais! Juntas com o objectivo de explorar o que de melhor se faz pela Europa em termos de acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida, ganhar novas perspectivas acerca das políticas e das práticas europeias actuais de acessibilidade, conhecer outras pessoas que usam cadeira de rodas, conhecer o seu modo de vida, os seus desafios diários, as suas aspirações e as suas vitórias e chamar a atenção
nacional para a problemática da acessibilidade e para a importância da Assistência Pessoal.

Esta experiência irá certamente ajudar-me a advogar uma sociedade mais inclusiva, onde muitas pessoas como eu se sentem ainda presas em casa devido à má acessibilidade. Nas palavras de T. S. Eliot, poeta e dramaturgo britânico, ‘só aqueles que se arriscam a ir longe demais são capazes de descobrir o quão longe se pode ir.’

Prontas para me acompanharem nesta aventura? Sigam as redes sociais! Garanto-vos que o melhor ainda está por chegar!

Vera Almeida
Técnica de Estatística e Reporting em RH
Mestre em Gestão de Recursos Humanos e Comportamento Organizacional
Membro da Direcção da Associação Portuguesa de Neuromusculares
Facebook: 40×2 Wheels in Europe
Instagram: 40x2_wheelsineurope
Crowdfunding: Make This Wheelchair Trip Happen


Ver Também

Desenvolvimento Pessoal  –  O cão que persegue a própria cauda?

Quer ser uma pessoa melhor? Não se preocupe, a resposta está mesmo ao virar da esquina, ou…