Home Artigos Empreendedorismo Empreender com Gestão Emocional

Empreender com Gestão Emocional

gestão emocional

Iniciar um projecto do zero exige do empreendedor um conjunto de ferramentas, competências e habilidades para saber lidar com situações inusitadas. Neste grupo de mulheres uma empreendedora tem de ser uma boa líder, gestora, estratega e motivadora para saber conduzir-se a si e aos seus colaboradores, se for este o caso.

Para além disto, tem de saber ser criativa na altura de resolver problemas, ter alguma resiliência, ser responsável, ser persistente e assumir compromissos consigo própria para não desistir à primeira dificuldade que surja. Isto implica saber gerir as suas emoções.

A gestão emocional está interligada com a capacidade de auto-concentração, autocontrole, automotivação e capacidade de se relacionar com os outros ou ser comunicativo e empático. Gestão emocional implica construir ideias e pensamentos sólidos e positivos. Implica ter capacidade de aceitação e de gratidão.

Auto-concentração

Um empreendedora concentrada sabe gerir pensamentos negativos, treina a sua atenção e tem um foco no seu objectivo. Não se deixa influenciar por outros, caso a opinião não seja construtiva. Sabe o que quer, tem um propósito e quer ser bem sucedida.

Autocontrole

Controlar ou gerir emoções e sentimentos, canalizando e ajustando o comportamento às situações para não se desviar do seu propósito, encaminha a empreendedora para o sucesso. Isto não quer dizer que não ocorram desilusões pelo trajecto, implica uma maior capacidade de adequar as emoções e o comportamento, mediante surpresas ou descobertas que sejam feitas neste percurso.

Este controle evita que cometa erros ou desvios desnecessários, caso haja clareza naquilo que se pretende atingir. As emoções podem trair-nos quando somos demasiado impulsivas ou quando não temos bem a certeza dos nossos objetivos.

Automotivação

Encaro sempre a motivação como parceira do Foco, estes dois em conjunto fazem maravilhas. O facto de precisar de um foco (no objectivo) favorece a automotivação. Tudo o que fazemos tem de ter um propósito, nem que seja ter paz de espírito. Para mais se for uma empreendedora com um projecto, saber o que se quer, para que se quer e como vamos alcançar o que que queremos é um passo para manter a motivação diária. Sugiro sempre que seja elaborado um plano para não fugirmos do que estabelecemos no início do projecto. Assume-se assim uma estratégia para combater estados de falta de motivação. Caso se verifique que a desmotivação permanece, é mais fácil verificar os passos definidos anteriormente e reajustá-los.

Capacidade de se relacionar com os outros

É muito importante para uma empreendedora não esquecer os outros no seu percurso, afinal não vivemos sozinhas. Uma boa empreendedora precisa de clientes e colaboradores, necessita de dominar a arte da comunicação assertiva, da capacidade de ser empática e isto implica, para além de gerir as suas próprias emoções, compreender as emoções dos outros.

Se não sabem o que isto envolve, comecem por não julgar o outro, reconheçam as dificuldades que possuem e revejam-se nas outras pessoas. Coloquem-se no lugar do outro, sintam como se o mesmo se passasse convosco. Este é um exercício que requer treino. Não adianta dizer sem fazer.

Sendo assim, é fundamental que a empreendedora se torne numa comunicadora de sucesso, demonstrando que é uma líder e influenciadora com uma conduta exemplar.

Aceitação e Gratidão

Por fim, quero mencionar a gratidão. Acredito que somos mais felizes não pelo que temos ou fazemos mas pelo que somos. E somos especiais porque vemos a vida de forma especial, tudo contribui para o nosso crescimento pessoal e profissional.

Porque não começar o dia agradecendo pelo que nos enriquece?!

Não faz de nós mais fracas e sim mais positivas. Não esquecer que ter pensamentos positivos é meio caminho andado para não ver problemas e sim soluções nos desafios que nos surgem.

Sandra Pereira – Life Coach, Formadora de Gestão Emocional e Escritora

http://sandrapereiracoaching.blogspot.pt/


Ver Também

Férias e empreendedorismo – Saber quando parar e quando regressar ao trabalho

Retomei há pouco tempo o meu trabalho, após três semanas de férias preciosas. Agosto e set…