Home Artigos Finanças e Contabilidade A Contabilidade na Era Digital

A Contabilidade na Era Digital

contabilidade e novas tecnologias

Vivemos numa época em que somos constantemente bombardeados com estudos que nos referem as profissões que vão desaparecer nos próximos 30 anos.

Neste sentido, qual a perspetiva, qual o futuro para profissão de contabilista? E quais as competências necessárias para se ser bem-sucedido neste futuro que está ao virar da esquina?

As opiniões dividem-se: há quem pense que o papel do contabilista irá evoluir para um parceiro de negócios e há quem pense que a classe continuará ao serviço da autoridade tributaria. Certo é que vivemos num país ainda demasiado burocrático, cuja legislação muda com demasiada frequência, obrigando o contabilista a uma atualização permanente dos seus conhecimentos.

A Bastonária da Ordem defende que os profissionais devem encarar a evolução tecnológica como uma oportunidade e não uma ameaça. Isto porque os contabilistas são uma base enorme de conhecimento que está a ser perdida no tratamento dos registos documentais, não trazendo o seu know how para bem das empresas e da economia.

“Ética e Responsabilidade Social”, foi um dos temas abordados na comemoração do Dia Nacional do Contabilista.

Mas afinal qual o alcance deste tópico? Para uma classe profissional habituada ao rigor dos números são conceitos que devem ser alvo de reflexão e aplicação. Conceitos como decência, carácter, respeito, honradez, honestidade, integridade, coerência e sensatez têm que estar presentes no dia a dia de trabalho de um contabilista e importa questionar: quais destes valores estão vertidos na Lei?

Na era da globalização, tudo terá tendência para se igualizar, exceto as pessoas. Os valores mencionados não dependem da evolução tecnológica, dependem das pessoas e são sensivelmente os mesmos que os de há 2500 anos!

Sem querer dramatizar a questão, devem os contabilistas, assim como as restantes classes profissionais, estar conscientes que o avanço tecnológico é imparável e, como tal, deverá substituir tarefas de menor valor acrescentado.

Assim, serão as pessoas que cada vez mais farão a diferença: seja pela aplicação dos valores referidos acima, seja pelo desenvolvimento de novas competências tais como agilidade, coragem, paixão e pensamento criativo.

Miriam Lopes

Finance & Accounting | Chief Accounting

Recipharm

Fotografia de Alesia Kazantceva no Unsplash

Ver Também

Nota Explicativa sobre os Recibos Verdes no âmbito do IRS

Até final de 2017, os recibos verdes que estão enquadrados no Regime Simplificado não prec…