Home Testemunhos No sofá com a Empreendedora Patrícia Damas – Make Happiness Events

No sofá com a Empreendedora Patrícia Damas – Make Happiness Events

P. – Qual a tua atividade profissional?

Neste momento o meu foco profissional é a Make Happiness Events e trabalho sobretudo com gestão de staff para eventos e ativações de marca, bem como no apoio e organização de eventos corporate e particulares em todo o país.

P. – Quando sentiste o “chamamento” do empreendedorismo na tua vida?

Sempre me fez alguma confusão ver o meu dia-a-dia gerido por outras pessoas e o meu tempo ser controlado por uma rotina fixa de trabalhar das 9h às 18h, quando os meus maiores sonhos implicavam ter um lifestyle mais flexível.

Depois de 10 anos a colaborar com várias agências e a representar diversas marcas em trabalhos pontuais e temporários enquanto estudava na Universidade, não foi difícil perceber que a minha felicidade, pelo menos nesta fase da minha vida, não passava por trabalhar na área da psicologia a full-time num centro de saúde (como chegou a acontecer).

E foi preciso viver exatamente essa experiência menos flexível como psicóloga em regime full-time, para perceber que era muito mais feliz se estivesse em mim a escolha de trabalhar com X ou Y, de realizar determinado projeto ou não, em determinadas datas ou horários… e foi então que se abriu a caixinha de Pandora!

Apercebi-me que a minha felicidade passava por ter um projeto meu que me permitisse gerir o meu tempo e, em grande parte, trabalhar online a partir de qualquer lado do Mundo. Afinal, toda a liberdade com que sonhava era parte de um sonho ainda maior: viajar pelo Mundo e ajudar o outro em missões humanitárias!

P. – Como começaste o teu percurso empreendedor?

A minha ideia inicial era abrir um consultório privado de psicologia (que me permitiria ser eu a gerir a minha própria agenda). No entanto, ao sair definitivamente do centro de saúde onde trabalhei durante um ano, comecei a receber muitos convites de trabalho de empresas (com quem colaborava regularmente) da área do marketing, produção de eventos  e de agências de staff para trabalhos pontuais.

Foi nesta altura que tomei consciência que era bastante reconhecida nesse ramo profissional e que estava bem colocada no mercado de trabalho a esse nível devido aos dez anos em que trabalhei nessa área enquanto estudava! Foi uma surpresa para mim, perceber que o trabalho que fazia para “ganhar uns trocos” para viajar enquanto estudava podia ser o meu futuro real, nunca tendo sido até aí uma hipótese que tinha colocado. Mas, como sempre digo, nada acontece por acaso.

 P. – Que dificuldades encontraste nesse percurso e como as contornaste?

Julgo que a maior dificuldade encontrada foi a inicial: tinha equipas de trabalho muito boas em todo o país, mas tinha uma reduzida base de dados de clientes e potenciais clientes. Percebi nesta altura a importância do networking. Porque, se pensarmos bem, o melhor produto do Mundo acaba por não valer nada se não chegar a quem mais precisa dele e a quem mais o valoriza. O que na verdade é uma importante mensagem a reter para todas as pessoas que têm um forte desejo de empreender.

A importância de assumir a Make Happiness Events como projeto de vida e espalhar ao Mundo o meu trabalho foi o fator decisivo para que o projeto desenvolvesse pernas para andar e, mais tarde, asas para voar!

P. –Comparando a tua atual atividade profissional empreendedora com o trabalho que tinhas antes, que diferenças destacas?

Sem qualquer tipo de dúvida, a melhoria na minha qualidade de vida. Claro está que isto é bastante subjetivo e que depende de pessoa para pessoa. Eu sou feliz por poder gerir o meu tempo e trabalhar online enquanto viajo ou estou em missão de voluntariado num país qualquer que precise de mim. Sou mais feliz porque o facto de poder trabalhar desta maneira permite-me ir vivendo em simultâneo os meus outros sonhos – o que me enche o coração e aviva a alma!

Mas se falarmos em diferenças concretas posso dizer que deixei de ter uma rotina em termos de trabalho (antes apenas dava consultas e dava formação, e agora faço new business, recrutamento, contabilidade básica da empresa, coordenação de equipas, tarefas administrativas, etc. etc. – não há espaço para monotonia!).

Anteriormente trabalhava das 9h às 18h, agora posso tirar o dia off quando quero…mas se for preciso também passo noites a fio a trabalhar (e muitas vezes sem estar à espera!).

Antes tinha a segurança de receber um salário fixo e subsídio de férias ou de Natal, agora não é certo.

E, por fim, já não preciso estar confinada ao mesmo espaço de trabalho – sempre com as mesmas pessoas – todos os dias. Agora o meu escritório pode bem ser uma esplanada em frente ao mar, uma gate no aeroporto ou a minha secretária de trabalho em casa com a minha manta cozy. What else do I need?!

P. – Que dicas gostarias de partilhar para quem quer dar os primeiros passos numa carreira empreendedora?

Julgo que há algo importante que deve ser partilhado e reforçado. Todo o percurso que trilhamos pode ter altos e baixos, mas deve começar de forma natural e não forçada. Há um timing, não o ignorem!

Não basta querer para acontecer, há um conjunto de fatores que devem estar alinhados para nos lançarmos nesta aventura. E algo que precisamos ter consciente em nós, é que não vai ser sempre fácil nem vai ser sempre difícil.

É um processo que exige foco e dedicação, que exige (re)ajustamento de estratégias ao longo do tempo, e que incute em nós uma incrível capacidade de lidar com imprevistos e gerir novas oportunidades. Por isso, sempre que sentirem que é demasiado difícil, lembrem-se que se fosse fácil não era para vocês!!

Ver Também

No sofá com a Empreendedora Cristina Charneca

P. – Qual a tua atividade profissional? Sou tradutora, intérprete, formadora, coach e gest…