Home Artigos Empreendedorismo Empreendedorismo Social – Sê a mudança que queres ver no mundo

Empreendedorismo Social – Sê a mudança que queres ver no mundo

Stella Airoldi é empreendedora social e a fundadora da 22STARS, uma loja online que produz joalharia numa comunidade de artesãs no Uganda, com papel reciclado. Além disso, é também a fundadora da instituição 22STARS Foundation. Esta fundação permite, através de um modelo de doação, enviar crianças para a escola, no Uganda, dando-lhes uma refeição quente e nutrida por semana.

Desenvolve ainda um programa de financiamento que pretende ajudar as comunidades locais a serem sustentáveis, proporcionando-lhes uma vida melhor.

Quem é a Stella Airoldi?

Estudei Direito Holandês e Criminologia e tenho um mestrado em Direito Internacional Público e um Mestrado Avançado em Direitos Humanos e Democratização. Trabalhei em pequenas e grandes organizações internacionais, especialmente na área de desenvolvimento e um ano no quadro da SIFE Leiden (ENACTUS), onde aprendi que a melhor maneira de ajudar as pessoas a sair da pobreza passa por ajudá-las a serem sustentáveis por si próprias.

Em 2013, comecei um projeto social de joalharia que visava empoderar uma comunidade de mulheres: a 22STARS. Com as vendas que fazia iniciei vários programas de desenvolvimento nas comunidades de artesãos em diversas áreas, como educação, microcrédito, saúde, dança e música.

Como a venda de produtos era imprevisível e subia e descia muito, acrescentei a esse modelo de negócio um modelo baseado em doações para financiar os meus programas sociais. Em 2017, comecei a fundação 22STARS para capacitar as comunidades dos bairros mais pobres do Uganda.

Além disso, sou a fundadora da plataforma Social Impact Nomads: uma plataforma onde dou formação a outras pessoas que queiram causar impacto positivo no mundo e conecto organizações locais com voluntários online, organizo viagens de impacto social no Uganda e realizo um Podcast de Impacto Social para Nómadas Digitais.

O que é isso de ser nómada digital e/ ou nómada social?

Sou nómada há já alguns anos, porque não tenho um lugar onde moro permanentemente e estou sempre de um lado para o outro. A verdade é que posso fazer o meu trabalho em qualquer parte do mundo, tendo um computador e, daí, o termo nómada digital. No entanto, também sou empreendedora social e criadora de impacto social. E foi assim que surgiu o termo “Social Nomad” (nómada social).

Porque é que é tão importante para ti fazer a diferença?

Nasci na Alemanha, mas devido à separação dos meus pais, mudei-me aos 6 anos com a minha mãe para a Holanda, onde ela se casou com o meu padrasto. O meu irmão mais velho ficou na Alemanha com o meu pai e madrasta.

Cresci numa família muito empreendedora e entusiasta de viajantes com todos os “privilégios que os brancos têm”. Mas devido à minha estranha situação familiar e todos os desafios que surgiram com isso, senti-me muitas vezes sem esperança, ainda enquanto era criança.

Por essa razão decidi seguir Direito e, mais especificamente, estudar os direitos das crianças. Depois do meu Bacharelato, viajei à volta do mundo durante 8 meses, sendo diariamente confrontada com a pobreza e a injustiça. E foi então que decidi focar-me nos direitos das crianças nos países pós-conflito e fazer um mestrado em Direito Internacional.

Para me especializar mais neste campo, continuei e fiz um Mestrado Avançado em Direitos Humanos e Democracia da European Inter-University Center for Human Rights and Democratization (EUIC). Em 2009, fui ao Uganda para fazer pesquisas sobre meninas-soldado. Mais tarde, trabalhei, entre outros, no Ministério dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos e na Delegação da União Europeia na China.

Vivi em vários lugares bonitos ao redor do mundo e trabalhei em tópicos que são muito importantes para mim, mas não estava feliz e satisfeita. Queria começar a ver a minha família com mais frequência, queria trabalhar diretamente com as pessoas no terreno e tinha as minhas próprias ideias sobre como a ajuda no campo do desenvolvimento deveria ser feita.

E foi aí que decidi que estava na hora de mudar a minha vida!

Que projetos desenvolveste?

Desde 2009, eu estava a ajudar financeiramente Susan Laker, uma mulher que eu conheci no Uganda. Susan era apenas 2 anos mais velha do que eu (26 na época), mas já tinha 3 filhos adolescentes. A sua história, o seu caráter forte e entusiasmo tocaram o meu coração. Comunicávamos através de um tradutor, já que eu não podia comunicar diretamente com ela, pois era analfabeta.

No final de 2012, fiquei super curiosa em saber como é que Susan estava a viver e voltei para o Uganda, assustada e sem saber o que esperar. Estava sentada no avião a pensar em todos os tipos de cenários e a maior parte não eram nada bons. Mas aconteceu que, graças ao meu apoio, a Susan mudou-se com os seus filhos para uma pequena casa com portas e janelas, ainda sem água e eletricidade, mas muito maior do que era antes. E o melhor, voltou para a escola e aprendeu inglês!

E assim fui finalmente capaz de falar com ela pessoalmente! Esse foi um dos momentos mais emocionantes da minha vida! Ela e as outras mulheres da sua comunidade tinham também começado a criar joalharia feita de papel reciclado, mas precisavam de ajuda com projetos que funcionassem no mercado europeu.

Comecei a alugar a casa que herdei do meu padrasto falecido, dei alguns passos para trás quando se tratava de gastar dinheiro e mudei o meu ambiente de trabalhar longos dias e festejar e fazer compras o fim de semana inteiro para me tornar mais consciente, focando-me em criar impacto usando a moda, o empreendedorismo e a educação.

E foi assim que nasceu a 22STARS!

Atualmente, temos 5 projetos na Fundação 22STARS:

1) Programa de Educação, no qual enviamos 300 crianças para a escola.

2) Programa de nutrição, proporcionando às crianças uma refeição quente todas as semanas.

3) Programa de Formação para Pequenos Negócios e Microempréstimos; apoiando 56 famílias,

4) Programa de Desenvolvimento, para pagar despesas médicas, colchões, filtros de água, etc.

5) Programa pós-escolas, para proporcionar aulas extra às crianças nas férias.

Trabalho, tanto quanto possível, com pessoas locais e adoro ensinar-lhes novas habilidades. Os nossos gestores de projetos locais vivem na nossa área de projeto/atuação e sabem exatamente o que funciona e o que não funciona e eles ensinaram-me bem mais do que eu a eles! As nossas atividades que podem ser desempenhadas por voluntários incluem principalmente posições de “trabalho remoto”, e também tornar-se num afiliado e vender as nossas jóias, tarefas que podem ser feitas de qualquer lugar.

Por isso, se tiveres interesse em colaborar, contacta-me! Toda a ajuda é bem-vinda!

Como é que as pessoas podem fazer a diferença no mundo em que vivemos?

Tudo começa com as pequenas coisas. Sê gentil com as pessoas ao teu redor. Sorri. Dá apoio a quem já ajuda. Basta olhares ao teu redor e fazer às pessoas a pergunta “Como posso ajudar”? No que toca ao meio ambiente, é mais fácil perceber: tenta evitar copos de plástico, palhinhas, procura produtos mais amigos do ambiente, etc.

Em vez de deitares fora as tuas roupas, dá. Oferece parte do teu tempo e das tuas habilidades à tua própria comunidade. Ou procura no exterior e vê como poderias ajudar organizações, como a minha no Uganda, com as tuas competências, tempo e dinheiro. Se geres um negócio e estás a ter lucro, pensa em doar 10% para uma instituição. Podes fazer coisas incríveis com esse valor! Mas, claro, se tiveres tempo, oferece as tuas competências e o teu tempo. Na minha organização, estamos sempre interessados ​​em pessoas que gostariam de nos dar o seu tempo e trabalhar connosco.

Quais são os teus maiores desafios?

Adorava que os meus dias tivessem 48 horas! Não sou eficaz a encontrar pessoas a quem delegar certas tarefas e encontrar pessoas que fariam as coisas da maneira que eu as imagino não é fácil. Mas quero muito conseguir. Preciso constantemente de me concentrar mais e preciso de encontrar pessoas que possam ajudar-me com certas tarefas. Em relação ao Uganda, adorávamos poder comprar terrenos para construir uma escola, mas é mais fácil falar do que fazer. Mas tenho certeza que, com o tempo, tudo virá!

Quais são os teus melhores conselhos para dar a pessoas que queiram começar o seu projeto social ou simplesmente devolver à comunidade e fazer o bem?

Encontrem a vossa tribo, a tribo certa! Sempre que estive cercada por pessoas com uma mentalidade semelhante à minha, que me apoiaram de muitas maneiras, eu cresci muito mais! Além disso, tenham uma mentalidade aberta! É difícil escrever um plano de negócios de 5 anos num mundo que está em constante mudança! Sejam flexíveis e abertos e adaptem-se, sempre que possível.

Se pudesses mudar 3 coisas no mundo, o que mudarias?

Encorajaria todas as pessoas a amarem o próximo e pararem de odiar. Encorajaria os líderes dos países a quererem o melhor para o seu povo, e as pessoas deviam poder decidir livremente em que país gostariam de viver, de acordo com as suas regras. Acabaria com a poluição do planeta e do meio ambiente. Impediria as pessoas de passar fome e sofrer de doenças para as quais o tratamento existe. E mais um milhão de coisas, é difícil nomear apenas três.

Gostavas de partilhar mais alguma coisa connosco?

Sê a mudança que queres ver no mundo!

 

Stella Airoldi entrevistada por Raquel Comprido (Right Buddy)

Leia esta entrevista completa na nossa revista digital.

Ver Também

Os Desafios das Áreas Holísticas

As áreas holísticas têm vindo a sofrer um crescimento considerável, fruto da busca por com…