Home Testemunhos No sofá com a empreendedora Catarina Leonardo – Wandering Life

No sofá com a empreendedora Catarina Leonardo – Wandering Life

P. – Qual a tua atividade profissional?

Produzo conteúdos relacionados com viagens, ou seja, texto, fotografias e vídeos. Sou fundadora e blogger de viagens no Wandering Life. Sou vice-presidente da Direção da ABVP – Associação de Bloggers de Viagem Portuguesas, e uma das suas fundadoras.

P. – Quando sentiste o “chamamento” do empreendedorismo na tua vida?

Eu trabalhei para três empresas durante 14 anos, todas na área da consultoria. Nos últimos tempos em que estava a trabalhar desta forma “normal”, comecei verdadeiramente a questionar o rumo da minha vida profissional e a ideia do empreendedorismo começou a surgir.

Nessa altura sentia um desejo enorme de me dedicar a uma outra coisa, algo que me desse mais tempo e mais liberdade, algo meu. Quando engravidei e tive a minha filha tive a certeza de que era o momento certo. Despedi-me sem saber muito bem o que ia fazer a seguir, acreditando que apenas precisava de algum tempo para refletir. E assim
foi.

P. – Como começaste o teu percurso empreendedor?

Tudo realmente começou no dia 1 de junho de 2016, quando ficou online pela primeira vez o meu blog de viagens. Tinha-me despedido há pouco tempo de uma carreira longa a trabalhar para outros e estava decidida em trabalhar para algo meu.

Ao contrário da esmagadora maioria dos bloggers, que vêm o seu blog de viagens como um hobby, este projeto para mim é um negócio e algo que quero tornar rentável. A par disto, sentia a falta de uma comunidade de bloggers de viagem em Portugal e a ideia de criar uma associação que nos juntasse e valorizasse foi ficando cada vez maior. Mas foi apenas no final do ano passado que felizmente descobri que um outro blogger de viagens (e que foi a minha grandes inspiração para começar o meu) também tinha esta enorme vontade. Juntámo-nos com uma equipa de mais sete viajantes e fundámos a ABVP – Associação de Bloggers de Viagem Portugueses, em março deste ano.

Neste momento encontro-me a preparar mais um projeto que envolve eventos ligados a viagens, aqui em Lisboa, em conjunto com dois bloggers de viagens meus amigos. Queremos criar condições para os viajantes de juntarem de forma regular e formar uma comunidade.

P. – Que dificuldades encontraste nesse percurso e como as contornaste?

Antes mesmo de colocar online o meu blog de viagens percebia que os primeiros tempos não iriam ser fáceis. Eu iria necessitar de uma motivação enorme para continuar sempre a trabalhar e não ter qualquer retorno, pelo menos a nível financeiro. Tal como qualquer outra empresa, temos de dar muito para depois, mais tarde, começarmos a receber.

Refleti bastante sobre a minha vontade e motivação e decidi que tinha condições para avançar. Já lá vão mais de três anos e nunca me arrependi desta decisão, nem fiquei desmotivada. Como li uma vez, quando estamos cansados não temos de desistir, mas sim de descansar. Lembro-me disto algumas vezes.

Nascer enquanto blogger de viagens num meio em que já há meia dúzia de outros bastantes bons, mais antigos e muito mais conhecidos do que eu, também não é fácil. Mas eu percebi que cada blog tem o seu espaço e que fazia falta um projeto que focasse mais a parte da história e cultura, e não tanto dicas práticas ou relatos pessoais. Além de que não fazia sentido criar mais um blog igual, este foco inovador era aquele que ia de encontro ao que realmente me apaixonava.

Outra dificuldade é a gestão do tempo. Normalmente escrevo em casa e gerir o tempo de trabalho, tudo o que envolve gerir uma casa e a minha família, não é nada fácil.

P. – Comparando a tua atual atividade profissional empreendedora com o trabalho que tinhas antes, que diferenças destacas?

Antigamente trabalhava muito menos tempo, saia da empresa e a responsabilidade acabava. E isso era bom. Mas por outro lado não tinha flexibilidade nenhuma de horários, o que era muito difícil. Trabalhar para mim dá-me uma liberdade enorme de gerir o meu tempo, o que é um bem precioso, mas por outro lado não é tão fácil desligar. Mas o balanço final é super positivo, é mesmo isto que quero fazer.

P. – Que dicas gostarias de partilhar para quem quer dar os primeiros passos numa carreira empreendedora?

Penso que o mais importante de tudo é perceber se temos a motivação e o perfil necessário para sermos empreendedores. É preciso ter muita motivação, muita paciência, porque os resultados do esforço demoram a vir,
e também é necessário conseguir dizer chega ao tempo de trabalho.

Ver Também

No sofá com a Empreendedora Elsa Silva – Reconectar Universal

P. – Qual a tua atividade profissional? Sou facilitadora de Cura Reconectiva e da Reconexã…