Home Artigos Empreendedorismo CO2 Diamonds – Um Projeto Inspirador

CO2 Diamonds – Um Projeto Inspirador

O ano de 2021 terminou da melhor forma para as Mulheres à Obra com um prémio de empreendedorismo atribuído pelo Banco Santander e pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, o Prémio Go Green Go Social.

No entanto, não estivemos sozinhas no pódio, que partilhámos com a Mara Santos e com a Carmen Monereo que apresentaram um projeto extraordinário, o qual propõe a transformação do CO2 em Diamantes, o CO2 Diamonds.

Mara Santos é licenciada em Química pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, desde 2002. Tem uma carreira considerável em Investigação Científica, nomeadamente no Instituto Superior Técnico e na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa. É uma pessoa versátil com muitas paixões, que esteve sempre ligada às Artes e à Cultura, com ênfase na Música, Teatro e Poesia.

Cármen Monereo é doutorada em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa e Mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, para além de realizar consultoria a Startups  é Professora  na Universidade do Algarve,  na Universidade de Saint Joseph, Macau, China e  na Universidade Santiago, Cabo Verde. No campo da investigação científica é investigadora integrada  do ICNOVA –  Instituto de Comunicação  da Universidade NOVA  e tem publicações científicas na área da Comunicação, Marketing e Empreendedorismo. 

O nascimento de uma GRANDE IDEIA

Numa viagem a New York, em 2018, Mara Santos ficou instalada perto do Diamond District e passava diariamente por lá a caminho dos seus passeios turísticos. Cada vez que passava havia pessoas à entrada das lojas a perguntar se ela vendia diamantes e a oferecer-lhe cartões de contatos que geralmente ignorava. No entanto, na última noite de regresso ao hotel fez um vídeo a dizer que se ia dedicar ao negócio dos diamantes depois desta viagem, já que pelos vistos tinha cara disso!!

Sendo Química e ciente do drama científico com o excesso de CO2 da atmosfera, decidiu iniciar um projeto de investigação independente para captura do CO2 e transformação em diamantes.

Na altura nunca tinha visto isso, nem Tecnologias de Captura de CO2 nem transformação de CO2 em diamantes, mas talvez por isso me tenha entusiasmado.

Marcar a DIFERENÇA

O projeto irá mostrar que é possível transformar um problema global numa fonte de prosperidade e incentivar com isso a adopção da captura de CO2 e transformação em derivados de carbono valiosos. Esta prática irá potenciar a redução de CO2 na atmosfera e a mudança da fonte de recursos, que em certos casos já começam a estar ameaçados.

É possível igualmente usar o CO2 para o transformar noutros derivados de carbono, nomeadamente grafeno e potencialmente até fibra de carbono. Isto representa um vasto potencial de aplicações e de mercados se a ideia for propagada, não só para mudar a indústria de diamantes, que geralmente está imersa em diversas polémicas e que tem drásticos efeitos ambientais nas zonas de mineração.

O mercado de diamantes fabricados em laboratório já existe e está avaliado atualmente em $20 biliões, mas espera-se que ultrapasse os $100 biliões nos próximos anos pelo aumento de consciência ambiental e também pelo potencial do uso de diamantes em eletrónica. Por exemplo, a Pandora, uma das principais lojas de diamantes, já só vende diamantes fabricados em laboratório e dizem os entendidos que a Era do Diamante está apenas a começar.

Imaginem o ar ser uma mina de diamantes!

Mara Santos revela que estamos a falar de diamantes como os naturais; é como os bébés-proveta, que são humanos mas têm a ajuda da Ciência para existir. Estes diamantes também são carbono na geometria característica de diamante mas são fabricados no laboratório.

Em termos ambientais, este tipo de diamantes reduz o impacto da mineração mas a energia necessária para alimentar os reatores acaba por emitir em média 511kg de CO2/carat. O projeto pretende produzir diamantes com carbono oriundo de CO2 e utilizar energia verde na produção. Desejam usar Smarflowers, que têm uma eficiência 45% superior aos painéis solares habituais, para assim produzir diamantes de CO2 com zero emissões.

O caminho PERCORRIDO

O projeto foi apresentado por Mara Santos no Encontro Nacional sobre Investigação Científica em Alterações Climáticas, no âmbito da Lisboa Capital Verde 2020, na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, em Fevereiro de 2020. Em 2021 foi apresentado ao ClimateLauchPad 2021, a maior competição mundial de ideias sustentáveis.

Mara foi finalista nacional e depois de um certificado com uma distinção Summa Cum Climate foi direcionada para o Cross-Border for Local Value Program da SERS Global Community. Aí conheceu a Carmen e a restante equipa espalhada por 4 continentes.

Durante 12 semanas evoluíram o plano de negócio e a rede de contactos com o objetivo de apresentar um plano para $1 bilião em 5 anos, baseado nos ensinamentos do Prof. Tony Bailetti e do Prof. Eduardo Bailetti, que desenharam o programa em torno de um estudo que tinham feito com Inteligência Artificial.

Nesse estudo, os autores encontraram nesse estudo os padrões das empresas que se tornam Unicórnios em menos de 10 anos e modelaram um programa que ia pedindo a implementação desses padrões no plano de negócio. Depois de sucessivas avaliações eliminatórias, chegaram à final e o CO2 Diamonds foi Vencedor-Escolha de Júri externo ao programa.

Havia interesse por parte destes orientadores em implementar o projeto na Nigéria, mas Mara optou por implementar o projeto em Portugal, pois considera que o nosso país também merece ser sede de projetos ambiciosos.

Não vejo motivo para os cientistas e inovadores terem sempre de ir trabalhar e enriquecer o estrangeiro e tenho apostado na procura de investimento em Portugal.

Entretanto a Carmen sugeriu concorrerem ao Prémio Melhor Ideia Negócio 2021 – Go Green Go Social da NOVA FCSH, onde acabaram por vencer o segundo prémio e têm agora um espaço nas instalações da NOVA na Avenida de Berna, que partilham com as Mulheres à obra.

Como APOIAR

De momento o projeto procura investimento. Depois de todo o trabalho independente, validação e networking, a equipa deseja concretizar o sonho. Em 2020, foi tentado financiamento junto da ANI, mas é exigida a parceria com as grandes entidades.

O projeto já possui um parceiro para o protótipo da tecnologia, o FabLab Porto de Mós, tem um parceiro para corte, polimento, certificação e venda dos diamantes, o Saver Diamond, que é oriundo da Bélgica mas está também instalado em Lisboa, e tem agora a parceria com todo o ecossistema de Inovação da Universidade Nova.

Os desafios de INOVAR em Portugal

Mara Santos partilhou connosco os desafios de tentar obter apoios em Portugal para um projeto tão inovador e ambicioso. Nas suas palavras:

Com investimento pretendemos capturar CO2, começar a produzir diamantes e chegar ao mercado. Cientificamente é possível, não há porque adiar a inovação mas as várias reuniões que temos tido não têm facilitado. Em Portugal é-se demasiado burocrático e dependente de fundos externos e acabamos por não ter muito como escapar aos tradicionais processos de investimentos, nem mesmo nesta fase de aumento exponencial de dinheiro no país com o PRR e de urgência climática.

Acabamos por nos ver limitados na candidatura a estes fundos porque como Startup ainda não estamos registados. Para o Banco Português do Fomento precisamos de um Co-Investidor privado, a Portugal Ventures sugeriu a Galp mas até ver não fomos contatados pela Galp, dizem que precisamos de um MVP, ou seja, o primeiro diamante realmente criado. Assim, parece que o conhecimento científico tem que se provar a cada novo passo e que há dúvidas que Carbono se transforme em Diamante com a devida temperatura e pressão. Ora, para formar o MVP precisamos de equipamento de custo elevado que depois também permite lucrar mas parece que só se olha para o custo e não para o possível lucro.

São essas as dificuldades que estamos a atravessar atualmente. Vamos iniciar um novo Programa de 6 semanas, o AirMiners LaunchPad que é dedicado a mineradores de ar interessados em extrapolar a Captura de CO2 para proporções ao nível das gigatoneladas que é o que se precisa atualmente para enfrentar este problema global das supostas Alterações Climáticas e talvez nos candidatemos ao X-Prize do Elon Musk no seguimento deste programa.

Talvez nos abram portas em termos de investimento mas suponho que com investimento estrangeiro lá foge mais um potencial Unicórnio para sede no estrangeiro, o que eu lamento profundamente porque acima de tudo, sou Portuguesa mas pedem sempre aos Cientistas que vão trabalhar e prosperar longe, até mesmo nas atuais condições de dinheiro em abundância para a Ciência e de urgência universal de Ciência.

Saber Mais

Email: info@co2diamonds.pt

Website: https://co2diamonds.pt

Linkedin: https://www.linkedin.com/company/co2diamonds 

Outros sites e projetos:

https://marasantos.pt
https://exitoescolar.pt
https://letstalaboutbusiness.org

Ver Também

MMN Marketing Multinível X Trabalho Tradicional

MMN, ou MLM, é a abreviatura de Marketing Multinível, Marketing de Rede, Marketing de Rela…